Campanha que destaca a importância da doação de sangue começou 1º de junho

No dia 1º de junho, começou a campanha para doação de sangue, destacando a importância deste ato tão nobre, singelo e que é gratuito.

O mês de junho conhecido tipicamente por um período de temperaturas baixas, desencadeia uma incidência de infecções respiratórias, as universidades estão geralmente em provas, as escolas também e ainda se iniciam as férias escolares.

É uma época que se costuma registrar quedas significativas nos estoques dos bancos de sangue, públicos e privados, onde os hemocentros ficam vazios.

A campanha iluminará com a cor vermelha, durante todo mês, instituições públicas e privadas, prédios históricos e monumentos em diferentes localidades do país. Serão feitas ações especiais durante a semana do Dia Mundial do Doador de Sangue, que é comemorado no dia 14 de junho.

No estado de São Paulo, pela Lei 16.386/2017, a campanha junho vermelho, ganhou status e passou a ser promovida em todo país.

Só mesmo quem passa por uma situação desesperadora de ver um ente querido ou amigo precisando de sangue para sobreviver e os estoques zerando, é que toma consciência da importância da doação de sangue, principalmente nesta época do ano em que as quedas são registradas em todo país.

São inúmeros os fatos que ocorrem no cotidiano de um hospital, que atendem desde vítimas de acidentes de trânsito e da violência urbana até os portadores de doenças que requerem transfusões sanguíneas como câncer, anemia entre outras patológicas.

Isso inclui também os procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, como transplantes e cirurgias cardíacas. Podemos destacar ainda que a demanda de sangue permanece inalterada, enquanto que a redução da oferta nos estoques dos hemocentros, cai consideravelmente.

Buscando dados em pesquisas realizadas recentemente, uma de 2017, realizada em parceria por uma entidade voltada ao incentivo de doadores e o Datafolha, revelou que cerca de 92% dos brasileiros disseram não ter doado sangue entre junho de 2016 e junho de 2017.

O levantamento revela também que, além do período de férias escolares o clima com temperaturas mais baixas, feriados e dias chuvosos também impactam negativamente nos hemocentros, que chegam a registrar queda de 30% em seus estoques.

Outro dado importante apontado pela pesquisa, diz que 39% dos brasileiros afirmaram não conhecer o próprio tipo sanguíneo.

O estudo ouviu 2771 entrevistados em todo país, e mostrou que o desconhecimento entre os homens é de 44%, índice considerável em relação às mulheres com 35%.

Já a maioria dos jovens, ou seja, 52% com faixa etária entre os 16 e 24 anos, desconhecem esse aspecto de seu próprio corpo.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), é de que cada país tenha, entre 3% e 5% de sua população doadora de sangue frequente. No brasil, o índice fica em 1,8%, enquanto em alguns países da Europa, cerca de 7%.