Dengue, somos todos responsáveis

A quem diga que a Dengue só acontece em períodos chuvosos e de intenso calor, outros dizem que a Dengue é um problema do governo, tem aqueles que cobram dos amigos e da família, mas não faz a sua parte, enfim tem para todos os gostos, mas na verdade a responsabilidade para combater a Dengue é de todos.

Uma simples atitude pode permitir ou não a proliferação do mosquito, ou seja, depende de cada um estar atento a tudo, como exemplo uma tampinha de refrigerante jogada em qualquer lugar, pode acumular água e se tornar um criadouro do Aedes Aegypti.

A secretaria da saúde, através da vigilância epidemiológica esta intensificando as ações para combater a Dengue e manter este patamar de caso “zero” em Paranapanema.

As equipes percorrem o município, vistam casas e comércios e identificam possíveis focos, e em caso de suspeita, o material é coletado e enviado para analise, lembrando que nos locais suspeitos, são adotadas medidas de prevenção e o proprietário é orientado a tomar mais cuidado.

O mosquito da Dengue, não transmite somente a “Dengue” ele pode trazer Zika Vírus, Chikungunya e tem grande potencial para transmitir a Febre Amarela.

Em São Paulo, o número de casos confirmados de Dengue, dobrou este ano em relação ao mesmo período de 2017, que registrou 4.611 casos e neste ano já estamos com 9.332.

Outra estatística é em relação às vitimas fatais que no ano passado foram 5 e este ano já são 6, sendo que outras estão sendo investigadas.

Para evitar a proliferação da dengue e outras doenças agregadas ao mosquito, é necessário tomar alguns cuidados, como vasos de plantas, recipientes que acumulam água com facilidade devem ser colocados em local coberto e de boca para baixo ou tampados, pneus velhos, latas velhas e outros tipos de vasilhas devem estar sempre em locais protegidos da chuva tampados ou cobertos com lonas.

Terrenos, lotes e quintais devem estar limpos e livres de materiais que possam acumular água com facilidade, as construções são pontos que acumulam entulhos e outros tipos de materiais que podem acumular água.

Entulhos provenientes de construção e de limpeza de quintais não devem ser colocados nas estradas, ruas ou calçadas, os mesmos devem ser jogados em caçamba.

Caixas d’água devem estar com tampa, mesmo àquelas que estejam instaladas dentro dos telhados, os banheiros de edículas que costumam ter pouco uso, devem estar com o vaso sanitário protegido por tampa e os ralos sifonados que acumulam água, deve ser colocado sabão em pó ou água sanitária.

Calhas e condutores de água abertos são pontos que costumam acumular sujeiras como folhas e detritos de telhados os quais facilitam a água parada e consecutivamente a proliferação do mosquito.

Residências com piscinas ou as populares piscinas infantis, devem estar cuidadas, protegidas e limpas, observando se as bordas não estão sujas ou com larvas grudadas.

As vasilhas de água e comida de animais domésticos, devem ser lavadas periodicamente e a água substituída diariamente, o mesmo cuidado deve ser observado nas propriedades rurais com os locais de trato dos animais de criação.

A secretaria de saúde alerta à população para o dia de finados, data que se costuma colocar vasos de plantas e flores naturais ou artificiais nos túmulos do cemitério.

A atenção deve ser para a forma de deixar os vasos ornamentais, sendo aqueles com flores naturais, em caso de ter o tradicional prato de apoio, neste não deve ser colocada a água e sim areia umedecida.

Os vasos com flores ou plantas artificiais, a atenção é para o tipo das flores que podem ser em formato de “copo” que acumulem água, estas devem ser perfuradas para que água escoe com facilidade.

Os túmulos que possuírem vasos fixos, estes não devem ser só com água e sim com terra umedecida, já os jazigos com jardins ornamentais, deve ser observada o tipo de plantas e flores existentes, se não acumulam água com facilidade.

Colabore, faça a sua parte, a responsabilidade é de todos.